Ariquemes (RO), 10 de dezembro de 2019

Brasil

BITCOIN 25/10/2019 21:46 Lucas Gabriel Marins Colaboração para o UOL, em Curitiba

Empresário que perdeu R$ 170 mil distribui folhetos contra 'rei do bitcoin'

O empresário Paulo Ricardo Campos Silva, 32, é um dos investidores com dinheiro preso no Grupo Bitcoin Banco, com sede em Curitiba (PR). Desde maio, a empresa não libera saques para os clientes, o que gerou só na justiça do Paraná pouco mais de 100 ações judiciais.

Na segunda semana de outubro, o empresário, que investiu R$ 170 mil na empresa, esteve na capital paranaense e distribuiu folhetos e exibiu cartazes com críticas ao empresário Claudio Oliveira, conhecido como "rei do bitcoin". Silva é de Belo Horizonte (BH).

"Como nada do que prometeram foi cumprido e eu não fui recebido por eles, resolvi agir e mostrar quem realmente o Claudio é. Imprimi 10 mil flyers [folhetos] e um banner [cartaz], contratei uma empresa de panfletagem e começamos a distribuí-los em Curitiba", disse.

Eles sequestraram meus ativos, diz empresário

Ele disse que tomou a iniciativa porque assinou um contrato virtual com a empresa e foi instruído por um funcionário a transferir os bitcoins presos nas plataformas do grupo (Negocie Coins e TemBtc) para a wallet (carteira digital que permite armazenar criptomoedas) do Grupo Bitcoin Banco.

A promessa, disse, era que a partir dessa transferência ele começaria a receber seus recursos em 30 dias. "Eu assinei o contrato e transferi os bitcoins, como haviam pedido, mas eles não assinaram o contrato e não me pagaram. Meu advogado disse que isso se enquadra como sequestro de ativos", falou.

O Grupo Bitcoin Banco não quis comentar o caso. Apenas informou que existe um fluxo de pagamento, estipulado em setembro, e que em breve fará novos comunicados sobre a evolução do processo.

Advogado tentou intimidá-lo durante a panfletagem, diz empresário

Os folhetos foram distribuídos em frente ao prédio onde fica a sede do Grupo Bitcoin Banco e em frente à Procuradoria da República do Paraná, ambos no centro de Curitiba. Cartazes também foram expostos.

Silva disse à reportagem que gastou R$ 2.000 na impressão do material e mais R$ 1.300 na contratação da empresa de panfletagem.

No material, ele escreveu que o "rei do bitcoin" esbanja luxo enquanto não paga os investidores faz cinco meses. Também disse que não está conseguindo pagar as contas e enfrenta sérios problemas psicológicos. Sua mãe morreu em junho deste ano.

Silva falou que, minutos depois de iniciar a panfletagem, um advogado da empresa, acompanhado de seis seguranças, tentou intimidá-lo. Ele disse que falou para o funcionário que só sairia dali se fosse recebido pelo proprietário da empresa.

"O advogado falou que, por causa da minha atitude, o Claudio não queria me ver nem pintado de ouro. Então continuei, pois estou no meu direito".

Silva voltou para Belo Horizonte na semana passada, mas pretende voltar a Curitiba para dar continuidade à ação.

Entenda o caso

A crise do Grupo Bitcoin Banco começou em maio deste ano, quando clientes não conseguiram mais fazer saques nas plataformas de negociação de criptomoedas da empresa.

A empresa alegou, na época, que foi vítima de uma ação criminosa de alguns clientes que, valendo-se de uma brecha no sistema, conseguiram efetuar saques indevidos, gerando um prejuízo de R$ 50 milhões.

Desde o início da crise, a Polícia Militar do Paraná e oficiais de Justiça do estado cumpriram diversos mandados de busca e apreensão na sede do banco e nas residências de Claudio Oliveira. O empresário chegou a ter os bens bloqueados pela Justiça e teve o passaporte retido.

O grupo alega, hoje em dia, que o pagamento aos investidores também está bloqueado por causa das centenas de processos que envolvem a empresa e seus proprietários. Só na Justiça do Paraná há pouco mais de 100 ações contra o grupo e seus proprietários. A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) determinou que o Bitcoin Banco e seus sócios parem de oferecer ao público títulos ou contratos de investimento coletivo.

 
 

Veja também sobre Bitcoin
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo